Letônia e Lituânia

junho 4, 2017

Me lembro há alguns anos atrás quando eu planejava viagens Europa afora, e quanto mais países do leste europeu eu conhecia, mais eu olhava para o leste e percebia que estava chegando perto da Rússia, onde já não era mais Europa. Me lembro ter começado algum post com ”  “Não sei aonde” foi o mais perto da Rússia que eu já cheguei!”… deve ter sido Finlândia ou Estônia. Acho que foi Estônia. Isso foi em 2011. Hoje, em 2017, eu já fui à Rússia. E a viagem à Rússia me fez pensar que eu ainda não conhecia alguns dos países bálticos, e os planos de voltar por aquelas bandas voltaram a ocupar a lista de prioridades nas minhas viagens.

Riga, Letônia

Só que não dá para voltar ao Báltico assim como quem vai à Itália ou à França ou Alemanha. A começar pelo clima ne… ir no inverno? Esqueça. Quase não dá pra ir na primavera ou outono porque essas estações quase não existem por lá. E sendo a Letônia do lado da Lituânia, tinha que ser de uma vez só que desse para visitar os dois países. Então viagem de fim de semana também ia ficar difícil. Fui atrás de um feriado. Organizei a viagem toda num feriado de fim de semana prolongado. E o que era para ser apenas Letônia e Lituânia acabou ainda ganhando um bônus, que foi a esticada até a Bielorrussia, que não estava inicialmente nos planos. Mas graças a Germania Airlines que cancelou o nosso vôo de volta Vilnius-Zurich e tirou o vôo de funcionamento em 2017 (tinha comprado as passagens no fim de 2016), eu tive que reorganizar tudo.

Vilnius, Lituânia

Chegaríamos pela Letônia, iria de ônibus até a Lituânia, e não tendo mais um vôo direto da Lituânia de volta à Suíça, o que deveria ser apenas uma escala em Minsk, terminou virando uma grande viagem de mais alguns dias na Bielorrússia. Mas sobre a Bielorrússia eu falo mais tarde, pois ela já não faz mais parte do Báltico nem da Europa. Bom, geograficamente sim, quer dizer, depende do ponto de vista…  Mas voltarei a falar da Letônia e a Lituânia por enquanto.

Riga, Letônia

Confesso que antes de ir eu sempre confundia, Riga é capital da Letônia ou Lituânia? E a outra capital se chama como mesmo? Mas agora que voltei acho que nunca mais esqueço uma história tão fascinante. Viajar é mesmo a melhor maneira de conhecer. A história desses dois países se parece e começa no ano 2000 antes de Cristo com a presença das primeiras tribos bálticas, isto é, os ancestrais do que hoje são os estonianos, letões e lituanos. E apesar de terem muita coisa em comum, experiências de dominações, ocupações e conquistas, ambos têm sua identidade e particularidades que tive o privilégio de conhecer um pouco mais de perto nessa última semana e vou me esforçar para registrar aqui um pouco disso.

Vilnius, Lituânia

Os povos que hoje são os finlandeses e os estonianos foram um dos primeiros a cruzar da Ásia para a Europa, em 2000 antes de Cristo, mas foram expulsos pelos indo-europeus. Mesmo assim esses por sua vez se misturaram aos grupos já existentes e formaram as raças que hoje são chamadas coletivamente de bálticas: Estônia, Letônia e Lituânia.

Por séculos os bálticos se mantiveram de práticas rurais, vivendo apenas do que a sua terra oferecia. Mas com o avanço das navegações e comércio ao longo da costa, o contato com a Suécia e a Rússia foi inevitável. Se mantiveram longe dos costumes europeus por bastante tempo, por exemplo, quando quase todo o continente era cristão, eles eram pagãos. E por este motivo, depois de muitas tentativas falhas de missionários tentar converte-los ao cristianismo, a primeira cruzada báltica foi sancionada pelo Papa Inocêncio III, em 1198. As cruzadas são aqueles movimentos com o intuito de espalhar a religião cristã, e lá por aqueleas bandas chegaram então os Cavaleiros Teutônicos movidos pela religião e comércio fundando colônias ao longo da costa.

Riga (Letônia) e Tallin (Estônia) prosperaram com os progressos promovidos pelos caveleiros alemães, enquanto que na Lituânia o paganismo permaneceu resistente por mais tempo. A Lituânia só virou cristã oficialmente quando um duque importante de lá casou-se com uma polonesa e decidiu converter-se para assumir a coroa da Polônia e da Lituânia. Com isso, a Lituânia sofreu bastante influência da Polônia e com a ascenção da Polônia, os privilégios e direitos dos cidadãos da Lituânia se limitavam a serviços à Polônia apenas.

Trakai, Lituânia

A Suécia e a Rússia por sua vez se enfrentaram diversas vezes pelo controle do Mar Báltico, tendo às vezes a força da Polônia e da Lituânia em sentido contrário. Sucessivas divisões de territórios dos três países aconteceram passando de mão em mão entre os países mais poderosos ao redor. Isso durou muitos e muitos anos. Já enquanto a Europa ocidental comemorava a paz em 1918 com o fim da Primeira Guerra Mundial, os Bálcãs eram ainda um campo de batalha. Os três países fizeram de tudo para impor suas fronteiras a quem ainda queriam controla-las, dentre eles, poloneses, suecos, russos e alemães. Nisso os três países tinham em comum: o desejo da independência.

Mas o governo era fraco e vulnerável. Em 1940 os Países Bálticos passaram a ser então controlados pelos russos, num tratado entre a Alemanha e a então URSS. Todos os vestígios da teórica independência pareciam ter desaparecido. Os governantes dos três países foram executados, a Biblia foi banida. As forças soviéticas reconquistaram boa parte da região e expulsaram de vez os alemães. Muitos moradores fugiram para a Suécia e Alemanha, temendo a rigidez do regime soviético. Os Países Bálticos foram mantidos à força à União Soviética.

Vilnius, Lituânia

A política dos tsares foi imposta com o intuito de eliminar a identidade dos três países. Todos tinham que aprender russo. Como eles devem ter sofrido… Aos poucos o resto do mndo foi ouvindo a discussão sobre Independência que voltava a ser discutida por aqueles lados. Ela chegou apenas em 1991, quando um golpe em Moscou contra Mikhail Gorbachev fracassou e em meio à incertezas, a sonhada Independência foi declarada pelos três países. A Rússia fez o mesmo, e então a URSS foi dissolvida. De repente o que então eram províncias soviéticas passaram a ser países, como eu já relatei em outras viagens aqui no blog por países da antiga União Soviética.

Vilnius, Lituânia

Os Países Bálticos puderam voltar a falar seu próprio idioma, que aliás não é o mesmo, e não é muito parecido não, pois embora tenha a mesma origem indo-europeia, desenvolveram para lados diferentes. Eles tinham sua própria moeda, embaixada, regras, e sobretudo, reconhecimento mundial. Em 2004 ingressaram na União Europeia e em 2007 ao Acordo de Schengen, e é por isso que brasileiro não precisa de visto para entrar lá como turista e ficar até 90 dias.

Riga, Letônia

Desde 2014 na Letônia a moeda é o Euro e na Lituânia desde 2015. A Estônia adotou o Euro mais cedo, em 2011. Como se vê, uma história tão linda e sofrida de resistência, e tão recente! Foi incrível poder conhecer um pouco mais de Riga, capital da Letônia, e Vilnius, capital da Lituânia.

Nosso roteiro foi bem simples. Nós voamos de Genebra pela Airbaltic direto para Riga. Lá ficamos 3 dias. Fomos de ônibus de Riga até Vilnius, que foi uma viagem de 4 horas e pouquinho e em Vilnius ficamos mais 3 dias. Nos próximos posts falo mais da Letônia, nossa primeira parada na viagem. O vídeo da viagem a Riga já está no ar:

Comentários Facebook

Related posts:

Um Comentário
  1. Walter Simão

    terça-feira, junho 20, 2017 at 4:48 am /

    Da Letônia, sei apenas, que o grande violoncelista Mischa Maisky nasceu em Riga. Mas vejo que é um belo pais com sua arquitetura milenar e muito bonita. Seu povo é muito branco e bonito também. Fico imaginando como devem ser bonitas suas mulheres. Liana, você tem um rosto perfeito